Sobre Autor(a)

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Baixe o artigo acessando a imagem:

A mente infantil, segundo Maria Montessori, a grande médica psiquiatra e educadora italiana, pode ser comparada a uma esponja e a diferença entre elas é que a esponja possui limite na quantidade de líquido que pode ser absorvido, porém a mente ou a vida psíquica em desenvolvimento é ilimitada, sobretudo, na primeira infância, dos 0 aos 6 anos de idade. Deveras o motivo de uma alienação parental ocupar espaço significativo nas áreas psicológicas e jurídicas.

Primeiramente, as ciências psíquicas trouxeram cicatrizes profundas, por consequência da alienação, que podem percorrer a existência inteira do indivíduo, a saber: depressões crônicas, dificuldade de adaptação social, transtornos envolvendo a identidade, a personalidade, o caráter, a imagem, a culpa, a desorientação, o isolamento, distorções de valores, condutas confusionais, entre tantas outras.

Leia também: Ocupe-se com seu filho!

Ademais, no âmbito das leis, em 2010, foi sancionada a Lei de Alienação Parental que prevê medidas como acompanhamento psicológico e multas para o genitor(a) que está provocando a “lavagem cerebral” no pequenino ou pequenina.

Indubitavelmente, uma criança em período sensível e absorvente ser encharcada com falas destrutivas e influenciadoras contra um de seus pais, levará a desenvolver emoções de rancor e ódio. Estas falas vem sob injunções de barganhas, sabotagem, intercepções de correspondências e telefonemas. Consequentemente, a criança, quando adulto, poderá revoltar-se contra os pais, o odiado e o que causou o ódio, complicando cada vez mais os conflitos familiares, pessoais e prejuízos psíquicos por longos anos ou a existência inteira do indivíduo que sofre alienação parental.

Leia:Vitória-Régia

É fundamental que o casal em processo de divórcio coloque em relevância também, quando possuem filhos, a saúde psíquica da pequena flor em desenvolvimento, cognitivo e emocional. A criança não possuindo recursos mentais ainda que o adulto já conquistou para saber lidar com as experiências-desafio, transforma estas vivências em traumas futuros de difíceis resoluções.

Portanto, a alienação parental está intimamente ligada ao desenvolvimento infantil, isto é, como diz o médico e psicólogo Wallon, o “ambiente social codeterminará a existência da criança”, ou seja, o primeiro ambiente que a criança toma contato são seus pais. Quanto mais intenso é o processo de disputa afetiva dos pais para com os seus filhos, mais danos físicos e psíquicos serão causados na existência da criança em pleno despertar.

Quem é Jéssica Bicudo

Desde o início da faculdade já sabia que queria ser psicóloga infantil. E nessa abordagem, a transpessoal consciencial, tive a oportunidade de fazer terapia desde bem nova e pude olhar para o mundo de outra maneira. Através dela, também pude transformar outras famílias, assim como a minha também foi transformada.

2021 Infância Consciente. Direitos Reservados | Termos e Política | Criação e Administração: USE TECNOLOGIAS

Atenção!

 Caso tenha interesse, preencha com seus dados e entre para nossa Newsletter.

Sim, desejo receber e-mails sobre artigos, noticias, tendências ou ofertas da Infância Conciente. O consentimento pode ser retirado a qualquer momento clicando no link de cancelamento de inscrição presente em todas as comunicações por e-mail.